As vacinas disponíveis atualmente não estiveram associadas a eventos adversos frequentes ou severos.

No caso da AstraZeneca, os eventos adversos mais comuns foram dor ou hipersensibilidade no sítio de aplicação, fadiga, arrepios de frio, febre, dor de cabeça, indisposição, mialgia e náuseas, ocorrendo nos primeiros 4 a 5 dias após a vacinação. No protocolo do estudo, o uso prévio de paracetamol esteve associado à melhora dos sintomas.

Já na CoronaVac, os testes da vacina não evidenciaram eventos adversos importantes. Os sintomas locais muito comuns (>10%) foram dor no sítio de aplicação e comuns (>1%) foram eritema local, inchaço, enduração e prurido. Os sintomas sistêmicos muito comuns (>10%) foram fadiga e cefaleia e comuns (>1%) foram náusea, diarreia, mialgia, calafrios, perda de apetite, tosse, artralgia, prurido, rinorreia e congestão nasal, tendo ocorrido até o 7º dia após a segunda dose da vacinação.